Sistema Just In Time de Produção

quinta-feira, agosto 24, 2006

Apresentação do Grupo/Blog

Dos criadores do Blog: Os criadores do Blog são acadêmicos do curso de Administração de Empresas da Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC. COMPONENTES: Edson Ricardo Christmann, José Rodolfo de Oliveira e Juliana Sbaraini

Do assunto: O sistema Just In Time é um assunto que tem sido enfatizado na escola da Administração, especialmente no que tange os interesses da Administração da Produção. Este Blog foi criado devido aos componentes possuírem um interesse em comum pelo assunto, sendo apresentado na disciplina de Informática Aplicada à Administração.

1) O que é o Just in time (JIT)?


O sistema JIT é uma filosofia de administração da produção, surgiu no Japão, na década de 60 na empresa Toyota, por isso também conhecido como “Sistema Toyota de Produção”. O “idealista” maior desse sistema foi o vice-presidente da Toyota: Taiichi Ohno. Este novo enfoque na administração da manufatura surgiu de uma visão estratégica e inovadora das pessoas envolvidas na gestão empresarial, buscando vantagem competitiva com uma melhor utilização do processo produtivo.

Existem três idéias básicas sobre as quais se desenvolve o sistema JIT:
A primeira idéia é a otimização e integração do processo como um todo, tudo aquilo que não agrega valor ao produto precisa ser eliminado. O JIT visa reduzir e/ou eliminar funções e sistemas não necessários ao processo de manufatura, tais como retrabalho, inspeção, estoque, etc...
A segunda idéia do JIT é o Kaisen (melhoria contínua). O JIT estimula o desenvolvimento de melhorias constantes, não apenas dos procedimentos e processos, mas também do homem, na empresa. Esta mentalidade permite o desenvolvimento do potencial humano dentro das organizações, conseguindo o comprometimento de todos. O JIT ajuda no desenvolvimento de uma base de confiança, obtida pela transparência e honestidade das ações.
A terceira idéia básica do Just in time é entender e responder às necessidades dos clientes. Isto significa atender de forma plena o cliente nos requisitos de qualidade do produto, prazo de entrega, custo, dentre outros. O JIT vê o custo do cliente numa visão maior, assim, a empresa deve assumir a responsabilidade de reduzir o custo total do cliente na aquisição e uso do produto. Logo, os fornecedores devem estar comprometidos com os requisitos igualmente, já que a empresa fabricante é cliente dos seus fornecedores. Clientes e fornecedores formam, então, uma cadeia produtiva com benefícios mútuos.

Material pesquisado por: Edson Ricardo Christmann, José Rodolfo de Oliveira e Juliana Sbaraini
FONTE: http://libdigi.unicamp.br/document/?view=32 - Autor: João Murta Alves / Instituto de Fomento e Coordenação Industrial / SP

2) Conceituação básica


JUST-IN-TIME
O JIT é uma filosofia de apoio à produção, criadas pela Toyota (Sistema Toyota de Produção). Este sistema necessita que as peças sejam fornecidas ao processo subseqüente somente na medida do que for necessário, com pequeno armazenamento e no momento correto. Necessita ainda que apresentem qualidade elevada para evitar desperdícios. A grande vantagem do sistema “Just-in-time” (na hora certa) é a disciplina na qual está apoiado: os processos sob controle, ou seja, qualidade, quantidade e regularidade previsíveis. O sistema just-in-time é o resultado natural do controle estatístico da qualidade, que, por sua vez, significa controle estatístico da velocidade da produção. (ver Just-on-time)

JUST-ON-TIME
Sistema que elimina o armazenamento prévio. No Just-on-time temos o abastecimento unitário (lote unitário) no exato momento de sua necessidade. (ver Just-in-time)

Material pesquisado por: Edson Ricardo Christmann
FONTE: www.indg.com.br/info/glossario.asp.html

3) Características do Just in Time


* o layout deve ser em células, dividindo os componentes produzidos em “famílias” com certa gama de operações de produção, montando-se, assim, pequenas linhas de produção (células) de forma a tornar o processo mais eficiente, reduzindo a movimentação e o tempo consumido com a preparação das máquinas;
* o sistema JIT não se adapta de forma perfeita à manufatura de diversos produtos diferentes, pois, em geral, isto requer extrema flexibilidade do sistema;
* a gestão da célula enfatiza a autonomia dos operários;
* a responsabilidade pela qualidade é feita diretamente na produção, adotando os princípios de controle da qualidade total (a redução de estoques e a resolução de problemas de qualidade formam um ciclo positivo de melhoria contínua);
* a produção baseia-se em grupos de trabalho, onde trabalhadores polivalentes operam dentro da célula; para que o sistema funcione os produtos tem de fluir de um grupo para o outro perfeitamente e os erros sejam imediatamente separados;
* ênfase na redução dos tempos do processo, atividades que não acrescentam valor ao produto devem ser eliminados, enquanto os tempos consumidos com atividades que geram valor ao produto devem ser utilizados de forma plena;
* o fornecimento de materiais no sistema JIT deve ter por objetivo o fornecimento de lotes de pequenas dimensões, recebimentos freqüentes e confiáveis, lead times curtos e elevados níveis de qualidade;
O planejamento e controle da produção do sistema deve garantir uma carga de trabalho estável, que possibilite o estabelecimento de um fluxo contínuo dos materiais. O sistema de programação e controle de produção está baseado no uso de "cartões" (denominado método Kanban);

Material pesquisado por: José Rodolfo de Oliveira
FONTE: http://www.cev.pt/servicos/Ginformacao/jit.html

4) Objetivos do Just In Time


* Produzir somente o necessário; evitando aquilo que for desnecessário;
* Flexibilizar a empresa como um todo;
* Reduzir os índices de perda (maior valor agregado ao produto); acreditar que o erro não é e nem pode ser considerado inevitável;
* Produzir com qualidade requerida e reconhecida;
* Menor “Lead Time” na concepção de novos produtos, ou seja, preparar e conceber novos produtos em períodos de tempos menores;
* Menos “Lead Time” na manufatura; produzir em menos tempo, gerando vantagem competitiva;
* Melhor atendimento ao cliente; cliente satisfeito é um dos pilares para o sucesso de uma organização;
* Gerar espaços de Fábrica; evitando que haja aperto e impossibilidade de realizar determinadas atividades por escassez de espaço;
* Reduzir estoques em processo e também de produtos acabados;
* Reduzir custos de fabricação;
* Produzir por métodos que permitam o envolvimento das pessoas (moral, satisfação, desenvolvimento, autocontrole);
* Reduzir o custo e o tempo de transporte dos produtos.

Material pesquisado por: Edson Ricardo Christmann
FONTE: http://www.frigoletto.com.br/GeoEcon/just-in-time.htm

5) Kanban: a administração do just in time


O Kanban pode ser entendido como: “um sistema de informações que realiza o controle da quantidade de produção em cada processo. O Kanban é um instrumento (cartão, placa) que, indica o que fazer, em que quantidade e onde colocar.”
Funcionamento Básico: A montagem final recebe um Kanban (“de retirada”) que informa o próximo modelo a ser montado e, em conseqüência, o que vai ser retirado dos processos anteriores. Um operário do setor de montagem (“carregador”, “abastecedor”) vai buscar apenas as peças necessárias àquela montagem. Ao chegar numa ilha (células) de fabricação, retira as peças e destaca um Kanban (“ordem de produção”) a elas conectado e coloca-o num quadro apropriado.
Os operários da ilha são informados sobre o que produzirão por meio destes kanbans ordens de produção. Após produzirem aquilo que estava indicado, os operários colocam as peças e o Kanban ordem de produção num estoque (à semelhança de uma prateleira de supermercado) ao lado da ilha, reiniciando-se o ciclo quando o “alimentador” da montagem vier pegar mais peças.Portanto, quem detona as ordens de produção na fábrica como um todo é a montagem final.

Material pesquisado por: José Rodolfo de Oliveira
FONTE: http://br.geocities.com/prcoliveira2000/just-in-time.html

6) Semelhança entre Kanban e JIT


A técnica KANBAN, nasceu na TOYOTA; brotou da iniciativa realizada por Yasuhiro Monden, que fundiu idéias e conceitos sistematizando-os num processo. O fundamento básico desta técnica é manter um fluxo contínuo dos produtos que estão sendo manufaturados. O KANBAN (cartão), traz como inovação o conceito de ajudar a eliminar estoques (estoque zero); os materiais e componentes agregados ao produto chegam no momento exato de sua produção (just in time). O sucesso deste comportamento está na ênfase dada no processo de manufatura nivelado e de automação - "jidoka" - AUTOCONTROLE.
A integração deste fluxo é denominado de produção no momento exato (just in time), isto significa produzir somente os itens necessários na quantidade necessária e na hora certa. Como resultante a força de trabalho e os inventários são reduzidos naturalmente, obtendo-se aumento da produtividade e a redução de custos.
Outros conceitos relevantes são adotados, a saber:
* SHEJUNKA – flexibilidade da mão de obra;
* SOIKUFU – Pensamento criativo ou idéias inovadoras.
Outros conceitos práticos estão inseridos no sistema:
* o próprio sistema Kanban integrado no conceito Just in Time;
* capacidade de adaptação às variações da demanda;
* padronização das operações e balanceamento das linhas;
* aperfeiçoamento das rotinas através dos grupos e elevação do MORAL dos trabalhadores (CCQ);
* sistema de controle visual, a informação é expressa (autocontrole);

Material pesquisado por: Edson Ricardo Christmann
FONTE: www.sato.adm.br/rh/kan_ban.html

7) Abordagem Tradicional x Just in time

* No sistema just in time, os estoques são considerados nocivos por tomarem parte do espaço físico da empresa e representar investimentos de capital. Os estoques escondem um processo produtivo ineficiente;
* O sistema JIT, enfatiza uma redução no tamanho dos lotes de fabricação e no tempo de preparação de equipamentos e máquinas. Uma das técnicas para reduzir o tempo de preparação destas máquinas utilizadas é a troca rápida de ferramentas.
* O sistema Just in time busca a eliminação de erros; não considerando como inevitáveis. A abordagem tradicional considera o erro como parte inevitável no processo e apenas pensa em corrigi_lo após a ocorrência do mesmo.
* O sistema Just in time de manufatura coloca ênfase no fluxo de materiais bem elaborado e executado e não apenas na maximização da utilização da capacidade que a maneira tradicional trabalha esta questão;
* O Just in time é um sistema flexível altamente delegativo, no sistema transfere-se a responsabilidade de funções como balanceamento das linhas, o controle da qualidade e a manutenção preventiva à mão de obra direta
* O JIT da uma ênfase na ordem e limpeza da fábrica como pré requisitos fundamentais para que se possa atingir os objetivos pretendidos.
O JIT baseia-se em uma lógica diferenciada em relação ao modelo tradicional; o sistema inverte a lógica do processo, “puxando” a produção, que é só produzir aquilo que se tem certeza de que pode ser vendido. No modelo tradicional enfatiza mais a produtividade, que é “empurrar” a produção, primeiro pensando em produzir para depois vender. Claro que o Just in time não funciona em todos os lugares do mundo, pois, devido a suas características, ele necessita de todo um aparato cultural e de outras ferramentas gerenciais para que funcione plenamente.

Material pesquisado por: José Rodolfo de Oliveira
FONTE: http://jasconsultoria.vilabol.uol.com.br/artigoJustinTime.htm - Autores: Patricia Renha de Oliveira e Eduardo Scheurer (Universidade Estácio de Sá - Rio de Janeiro)

8) Meios necessários para mudar para o Just In time

* Otimizar e simplificar: Faz-se necessário que se repense a forma de produção, de modo a responder de forma eficaz aos clientes. O layout da fábrica deverá ser flexível, respondendo aos padrões de qualidade, evitando tempos de espera e responder rápida e eficientemente a alterações na produção.
*Formar adequadamente os recursos humanos: A idéia é a de ensinar o pessoal a funcionar segundo novos modelos de trabalho, com novos objetivos e segundo novas regras.
*Colaborar com os fornecedores e/ou rede fornecedores: Os fornecedores são uma peça chave no desempenho da empresa. É preciso estabelecer novas relações com os fornecedores para que possam colocar as quantidades necessárias com a qualidade necessária e no tempo certo. Só com o apoio destes é que se consegue uma passagem para o Just-in-time eficaz.
*Colaborar com os clientes: É útil que os clientes possam colaborar com a empresa. A empresa pode pedir-lhes, ajudar a estabilizar a carga da produção, combinando uma programação de entregas. Além disso, é sempre vantajoso para a empresa passar a mensagem aos clientes do aumento de qualidade alcançado.
* Conceber a produção em novos moldes: O Just-in-time representa uma alteração profunda das suas práticas. A organização da empresa deve assim ser modificada para responder mais eficazmente. A disposição funcional das atividades deve ser substituída por linhas de produtos.

Material pesquisado por: José Rodolfo de Oliveira
FONTE: http://www.pmelink.pt/pmelink_public/EC/0,1655,1005_45899-3_41104--View_429,00.html

9) As doze regras do Just-in-time


1) Produzir apenas o que é pedido pelo cliente e só quando ele o pretende, e portanto não constituir estoques, sejam de produtos acabados ou intermédios.
2) Ter prazos de fabricação curtos
3) Dispor de uma grande flexibilidade, de forma a poder responder rapidamente a alterações no mercado.
4) Fabricar pequenas quantidades de peças, subconjuntos ou produtos finais.
5) Conseguir efetuar uma rápida mudança de ferramentas;
6) Só comprar as quantidades necessárias à produção;
7) Dispor as máquinas e organizar a produção de modo a que se minimizem as esperas ou perdas.
8) Armazenar as matérias-primas e os produtos semi-acabados junto dos locais onde são necessários, para evitar perdas de tempo e de eficiência no transporte.
9) Dispor de máquinas e ferramentas altamente fiáveis, de modo a que não se avariem no momento exato em que são necessárias.
10) Controlar com muito rigor a qualidade das peças a serem fabricadas.
11) Só comprar as matérias-primas e os componentes que assegurem uma qualidade superior.
12) Empregar recursos humanos polivalentes e capazes de se adaptar a uma produção descontinuada.

Material pesquisado por: Juliana Sbaraini
FONTE: http://www.pmelink.pt/pmelink_public/EC/0,1655,1005_45899-3_41104--View_429,00.html

10) Vantagens e Desvantagens JIT


A principal vantagem do Just-in-time está ligada por três vias:

* Redução de estoques: não é necessário disponibilizar um espaço e recursos humanos para tratar dos aprovisionamentos.
* Redução de tempo: o mesmo nível de produção pode ser atingido em menos tempo, o que evita horas extraordinárias e/ou aumentar a produção face a um aumento pontual da procura.
* Aumento da qualidade: evitam-se custos com peças ou produtos defeituosos além de ser um excelente argumento de venda, reforçando a presença no mercado.

A maior desvantagem deste sistema é a que decorre de incertezas na envolvente da empresa. Se algo não funcionar bem, e o exemplo de uma greve nos transportes é a mais evidente, tudo pode ficar parado. Por isso, algumas empresas, além de um sistema de Just-in-time, mantêm também o "just in case", algum estoque de segurança que permitirá evitar perdas no caso de problemas com a envolvente, nomeadamente os fornecedores.

Material pesquisado por: Juliana Sbaraini
FONTE: http://www.pmelink.pt/pmelink_public/EC/0,1655,1005_45899-3_41104--View_429,00.html

11) Considerações Finais


Ao final desta pesquisa vimos que o Just in Time é uma filosofia japonesa que tem por objetivo o melhoramento de como o trabalho deve ser feito para não gerar desperdícios como ênfase na qualidade do produto final sem estocagem. Esta técnica de gerenciamento é de grande importância no mundo atual, onde a demanda é exigente em relação à qualidade nos produtos oferecidos. É importante não esquecer que a lógica de produção sem estoque linearizada é extremamente compatível com a automação integrada do processo de fabricação, que parece vir-se constituindo num padrão internacional de produção.

É um sistema que se adapta muito bem às necessidades da indústria de atender ao mercado consumidor atual, pois possibilita uma produção bastante flexível, de alta qualidade e custos reais, além de uma maior participação do trabalhador no processo produtivo.

Autores: Edson Ricardo Christmann, José Rodolfo de Oliveira e Juliana Sbaraini